Páginas

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

Naquela esquina

Lá esta ela, parada na esquina, próxima ao poste, com seu vestido apertado, mostrando todas as curvas daquele belo corpo, com um batom vermelho e maquiagem forte, o que será que ela esconde?

Encosta um carro, abre o vidro, e ela se aproxima, troca meia dúzia de palavras com o motorista, e ele vai embora a deixando pra trás, é não foi dessa vez, em seguida param mais dois, porém ambos partem sozinhos, hoje tá difícil.



Mas ela não se abala, continua lá a espera do desconhecido. Muitos passam por ela e a julgam, se ao menos conhecer sua história, suas motivações, razões, apenas se acham no direito de julga-la porque seus "pecados" são diferentes dos delas, ou mais escondidos, hipócritas.

E encosta mais um carro, como de praxe ela se aproxima para a negociação, parece que dessa vez entraram num acordo.


Lá vai ela sentada no banco do passageiro, aquela que é de muitos, mas não é de ninguém. Cada um com seu objetivo em mente, e eles sabem o que o outro quer, é uma relação honesta, eu diria...

Nenhum comentário:

Postar um comentário